Mobil

[Automobile][threecolumns]

Motor

[Automobile][list]

Kapal

[Automobile][threecolumns]

Pesawat

[Automobile][list]

Kereta

[Automobile][twocolumns]

Mesin

[Automobile][bleft]

Robot

[Automobile][list]

Friday, February 15, 2019

Kancolle 9 - Segunda Remodelagem-Poi?!

Silahkan membaca berita terbaru tentang otomotif berjudul Kancolle 9 - Segunda Remodelagem-Poi?! di website Batlax Auto.
Falta pouco... já estamos chegando nos finalmentes do desenho Kantai Collection. Já foram oito episódios, faltam mais quatro contando com esse. Incrível como estou insistindo com isso aqui, acho que eu fui atingido por uma overdose de criatividade e disposição, que me motivou a seguir com essa narrativa. Certamente influenciado pelo assunto. Afinal de contas, esse texugo aqui é drug-free, nem café foi preciso pra me manter animado com isso aqui.


E pelo título, imaginamos que vamos ter algo focado na destróier Yuudachi. Então, pode se preparar para muitos pois ao longo dessa postagem. Poi.

Estamos ainda naquela base na ilha tropical de Truk. Como acontece na maioria dos episódios, encontramos Nagato e Mutsu na sala de comando, recebendo um relatório das forças inimigas trazido por Ooyodo.


Nagato examina os papéis... Deve ser importante, pois eu não entendo patavina do que tá escrito ali. Mas Ooyodo dá uma colher de chá, dizendo que ali estavam listadas as forças Abissais, comparadas com as forças das meninas-navio. Segundo estimativas do matemático Oswald de Souza (aquele que dava as probabilidades da loteria esportiva na Globo), elas tinham uma chance de 80% de vencer os Abissais, se dessem início à operação MO naquele momento.


Mas Nagato ainda estava apreensiva. Apesar da boa probabilidade e da esquadra principal estar ali reunida, sempre havia o risco dos 20%... sem falar que, muito longe da base, poderiam ter problemas de abastecimento. Em todo caso, ela iria conversar com o comandante, que havia ficado no porto principal, para ver o que elas fariam.


De repente, quem bate na porta é Haguro, toda tímida e fofinha. Depois de Mutsu, Haruna e Yamato, Haguro sem dúvida é uma das mais cuti-cuti do desenho. Ela aparece para avisar que algo havia acontecido com Yuudachi.


Vamos ver o que houve. E somos levados para a praia, onde as destróieres estão ali sem entender nada, olhando para Yuudachi de forma assustada, como se ela tivesse um feijão no dente.


Mas não se trata de um resto de comida na boca. Na verdade a loirinha está toda vermelha e brilhando. Nisso que dá ir pra praia e não passar protetor solar, ainda mais com a camada de ozônio do jeito que está.


Ela se sente bem apesar do brilho vermelho, e as meninas começam a imaginar o que seria. Talvez fosse efeitos de comida estragada, ou possivelmente ela tinha levado uma picada de um bicho no mato. Mutsuki se pergunta se não era amor, talvez Yudachi tivesse sido atingida pelo cupido. Tal idéia faz com que as meninas digam "eca"! 


Além disso, a não ser que Yuudachi jogasse no outro time, não tinha como ela se apaixonar pois não tinha nenhum garoto por perto.

Nagato e Mutsu chegam pra ver que esbórnia era aquela. Ao ver a luminescência vermelha, elas já imaginavam o que seria, e ordenam que Yudachi fosse para a fábrica. Poi.


Curiosas como só elas, Fubuki e Mutsuki vão até a fábrica, onde escutam barulhos de martelos, serrotes e explosões. Afinal de contas, o que estava acontecendo? Fubuki lembra que a fábrica era onde as meninas-navio faziam os reparos mais pesados, e com isso ela começa a se preocupar se sua amiguinha estava bem.


Uma das janelas da fábrica se abre e aparece Ashigara, que aparentemente está mais sossegada depois daquela competição de curry. Ela pergunta se as meninas estava ali querendo ver Yuudachi ou se estavam só de vadiagem. Mutsuki responde que eram as duas coisas, mas mesmo assim a cruzador solteirona acha que não faria mal as meninas entrarem.


As garotas entram no que parece ser um cenário bizarro de uma fase do Doom, com um longo corredor e várias cortinas. Parecia na verdade um hospital, e provavelmente Yuudachi estava atrás de uma daquelas cortinas. Seguindo todas as premissas de higiene de um hospital, Fubuki e Mutsuki seguem adiante, pouco se preocupando se vão estar levando sujeira pra dentro do ambiente que pode causar uma grave infecção nas pacientes.


Como nenhuma das cortinas tinha uma etiqueta elas teriam que chutar uma, se arriscando a encontrar um pervertido manuseando um torpedo ou coisa parecida. Quero só ver o que vai aparecer.


Quase... Na verdade eram Ooi e Kitakami. Ooichi estava dando uma revisada nos lançadores de torpedos de Kitakami, logicamente aproveitando o momento pra dar aquela conferida nas pernas de sua irmã/ficante. É, Fubuki e Mutsuki... melhor se mandarem antes que a putaria comece a rolar solta ali dentro, vocês são muito novas pra isso.


As meninas continuam seguindo. Refaço a minha comparação, isso não se parece com um corredor do Doom. Parece aquela fase do Duke Nukem na livraria, onde tem aquele corredor com várias cortininhas, onde os aliens ficavam se auto-satisfazendo com vídeos de sacanagem.


Não lembra? Essa fase aqui. Bons tempos, em que haviam jogos politicamente incorretos como Duke Nukem, onde dava pra explodir a cabeça de aliens cagando na privada e dar trocados pras strippers sacudirem os magumbos.


Próxima cortina e elas encontram Yuubari, que está ali sentando o dedo no ferro de solda, fazendo um reparo numa tubulação de gás de cozinha. Uma mistura explosiva que certamente vai dar merda, então as duas saem de fininho. 


Hora da cortina número três, e quem está ali é Kongou. Ela aparentemente está tendo delírios por conta do clima tropical, e naquele momento estava tendo um sonho erótico com o almirante, imaginando como ele ia usar o seu canhão repetidamente para perfurar seu convés. 


Mutsuki diz que devia ser culpa daquele lugar... Uma ilha tropical, todo mundo de biquini, clima quente, e as garotas estavam começando a ter pensamentos impuros, inadequados para moças de família recatadas como elas. Assim, ela sugere que se mandem dali, pra assistir o último capítulo do Pequeno Pônei e manterem as suas ingenuidades intactas. 


Só que elas começam a escutar um monte de "pois". Era Yudachi, e assim elas correm pra abrir a cortina... Rufem os tambores.


E essa é a Yuudachi? Pior que é.


Mutsuki e Fubuki não entendem. Será que aquela era uma irmã perdida de Yuudachi? Não podia ser, pois as irmãs dela não eram loiras e não falavam "poi". Ela explica que sim, era mesmo a Yuudachi. E que fechassem a cortina, pois estava entrando uma brisa meio fria e ela estava desprevenida, só com as roupas de baixo.


Na verdade, o que tinha acontecido era uma remodelagem. Por isso aquele brilho vermelho, ela tinha conquistado XP suficiente pra ganhar uma modificação, que lhe daria melhores estatísticas e que também alterou completamente o seu visual. Poi.


Outra referência do jogo. Após conquistar pontos suficientes e chegar em certos níveis, você tem a opção de fazer um upgrade numa menina-navio. Todas possuem um primeiro nível de remodelagem, denominado "kai", mas algumas como Yuudachi permitiam um segundo nível, o "kai ni", o que mudava drasticamente a aparência e muitas das estatísticas da personagem. Como mostram os cards do jogo abaixo. 


Aliás, essa variação drástica de visual é por conta da história do verdadeiro destróier Yuudachi, baseado na Batalha das Ilhas Salomão, em que ele causou um sério estrago nos navios americanos antes de afundar, sendo responsável pela destruição de um cruzador. 

As meninas ficam impressionadas, pois ela parecia tão poderosa, mais forte do que qualquer destróier. Ikazuchi diz que parece que ela tem armas maneiras, Inazuma fala que ela ficou super bonita, Akatsuki comenta como ela parece uma dama, e Hibiki fala que aqueles olhos vermelhos parecem coisa do demônio.


Fubuki fica surpresa... Yuudachi era antes tão infantil e bobinha, agora ela parecia tão madura, tão adulta...


... e aparentemente havia atingido a maturidade, se é que me entendem. Que poi-pois!


Shimakaze pergunta se Fubuki está com ciúmes da nova comissão de frente de sua amiga. Qualquer coisa, era só colocar umas meias no sutiã que ninguém iria confundí-la com um garoto. E ela diz também que imaginava que Fubuki seria a primeira dali a ser remodelada, pois ela era a capitã de uma esquadra. Afinal, em mais uma referência ao jogo, a menina-navio líder de um grupo sempre ganhava mais pontos de experiência que as demais, principalmente se fosse a MVP.


Fubuki vai chorar as suas pitangas com Yamato, que está batendo o seu segundo prato na janta. A encouraçada explica que também nunca foi remodelada (pois no jogo precisa de muito XP pra subir ela de nível), mas ela explica que geralmente quanto mais experiência de combate, mais rápido uma menina-navio chegava ao nível de ter direito a um upgrade. Era o que Fubuki precisava fazer.


Falou em comida, quem aparece? Claro, é a Akagi, que brota do nada com uma cumbuca de arroz. Ela entende que Fubuki esteja frustrada, pois ela era a capitã da esquadra e talvez já fosse hora dela ter recebido sua remodelagem. E comenta também que aquele arroz era da hora. Finalmente percebo meninas comendo com pauzinhos, em vez de garfo e faca.


Akagi explica que ela não precisa se preocupar. Afinal de contas, de acordo com as instruções do jogo, cada menina tinha seu nível específico de remodelagem, e haviam missões que davam mais XP do que outras. Talvez Yuudachi teve essa sorte, mas era só Fubuki insistir que logo ela ganharia uma recauchutagem em seu visual.


Pra fazer com que ela calasse a boca e a deixasse disfrutar seu terceiro prato, ela faz um cafuné em Fubuki, sabendo que ela vai ficar toda boba.


Não deu outra. A destróier fica toda alucinada, e volta para seu quarto saltitando de alegria, tirando a concentração de Mutsuki que tinha pego o Cinquenta Tons de Cinza por engano na biblioteca da base.


Fubuki fala que nunca mais vai lavar a cabeça, depois de Akagi tê-la tocado. Mas Mutsuki a lembra dos riscos da falta de higiene capilar, que deixariam os cabelos oleosos e sujos, com o risco de deixá-la careca. Ainda mais que provavelmente Akagi estava com os dedos engordurados de comida, ia ficar uma gosma fedida se ela não lavasse.


Como Fubuki estava cheia de energia, Mutsuki sugere que ela vá correr na praia um pouco... assim, ela poderia ler com mais calma sobre aquela história curiosa do Mr.Grey e seus brinquedinhos. Fubuki concorda, e ao sair do prédio ela cruza com Yuudachi. A loirinha havia ido praticar um pouco com seu novo equipamento e estava exausta, mas Fubuki a anima, pois valia a pena por ter ganhado uma remodelagem.


Mas antes que Fubuki pudesse dar sua corrida na praia e Yuudachi se jogar na cama, Ashigara aparece, dizendo que a Nagato queria falar com as duas. Provavelmente, pra dar algum esporro, como de costume. Fu-poi.


Não dessa vez. Nagato tinha algumas ordens vindas do almirante, e que diziam respeito às duas. Pra começar, Yuudachi seria transferida para o Grupo de Porta-Aviões 1 e faria parte da esquadra principal. Faz sentido, se eu estivesse jogando o jogo, colocaria as meninas-navio mais fortes pro grupo de elite.


Yuudachi se dá conta da grandeza de tudo. E começa a ficar desesperada, e se ela fizesse um monte de poi? Mas Fubuki, que deve estar se mordendo de inveja de sua amiga por ela ter sido convocada para lutar con Akagi, diz que tudo vai ficar bem. 


Agora, quanto a Fubuki...

A cena corta para o quarto das meninas, onde Yuudachi conta para Mutsuki o que havia acontecido: a Unidade Móvel 5 da qual ela fazia parte havia sido desativada, e com isso o comandante deu a ordem dela voltar para o distrito naval. Em outras palavras, ela havia perdido o status de capitã e estava sendo tirada da linha de frente da batalha.


Ao saber disso, Mutsuki sai correndo que nem uma barata tonta pra localizar a sua amiga, antes que ela faça alguma bobagem.


Finalmente, ela a encontra lá no terraço da base. Bom, acho que o desenho não deve ir para uma linha muito sombria, em que Fubuki se joga do alto do prédio, mas só por garantia Mutsuki vai lá pra afastá-la do parapeito.


Fubuki parece anestesiada. Provavelmente havia sido alguma lambança grande que ela tinha feito e nem tinha idéia. Mutsuki diz que não, que todo mundo via como ela se esforçava, que ela era um exemplo para que todos se esforçassem mais, e pra completar ela tinha sido excelente na última batalha. Aí Fubuki pergunta, se tudo isso contasse, por que o almirante estava mandando ela de volta pra base? Mas enfim... ela queria correr na praia, e ela não ia deixar de fazer isso...


Mas ela estava arrasada... Em lágrimas, correndo pela praia e se lembrando de todos os momentos, do treinamento, de suas amigas... Como que aquele babaca do almirante estava privando-a de tudo isso? Acho que essa era a hora da Akagi fazer outro cafuné na cabeça dela.


Então... BLAM! Ela dá de cara com alguém, naquele estilo desajeitado Fubuki de ser.


Era Kongou, que estava ali admirando o luar, depois de ter se recuperado de suas alucinações 18+ com o almirante. 


Temos então a cena tocante do episódio. Fubuki cai no choro e abraça Kongou, que a conforta. Ela não tem palavras, mas abraça a Bukki dizendo que tudo vai ficar bem. Mostrando que Kongou pode ser até aquela louquinha sem alguns parafusos na cabeça na maior parte do tempo, mas nas horas em que precisa ser séria e amiga ela não deixa ninguém na mão. 


Quem não gosta nada disso é Hiei, que estava ali passeando, e vê que mais uma vez Kongou estava abraçando alguém além dela. Buááá!


Kongou manda ela sossegar o facho e fazer silêncio, pra não assustar a Bukki e pra não acordar os animais da floresta.


As duas levam a destróier para seu quarto, ajudando Mutsuki a colocá-la na cama. Depois ela explica o que tinha acontecido com Fubuki. Kongou entende, mas ela tenta ser positiva. Afinal de contas, todo mundo ali, incluindo o almirante, estava vendo o quanto Bukki era esforçada, e certamente havia uma boa razão pra ela ter sido convocada de volta pra base. Hiei concorda, não tanto por acreditar nisso, mas mais pra puxar o saco de sua irmã e talvez ganhar um abraço.


E é isso que ela precisa, dormir um pouco. Nada como tirar uma soneca pra esquecer das coisas.


Só que não ajuda muito quando você começa a ter um sonho doido. E é o que acontece com Fubuki, que se imagina correndo sobre a água, por mais que isso possa parecer ridículo. Bom, é um sonho... E ela não está apenas correndo, mas perseguindo Akagi, que se manda sem dar nem um tchau.


De repente, quem passa é Yuudachi, indo escoltá-la. Mostrando que no fundo Fubuki está verde de inveja com o fato da sua amiguinha cabeça de vento ter tido a honra de acompanhar a sua ídolo. Poi.


Fubuki acorda se sentindo um trapo. E percebe que também fez xixi na cama. Pombas, ficar sonhando com água dá nisso, não tem bexiga que aguente.


Depois de tomar um banho pra se limpar do acidente noturno (e de ter lavado a cabeça, pois já tinha se esquecido do cafuné de Akagi), Fubuki decide ir lá nas docas pra contemplar o mar. Ela não queria sentir inveja, mas era injusto, ela tinha se esforçado tanto e não tinha conseguido nada, apenas uma passagem de volta para a base... Ninguém disse que a vida é justa, Fubuki! Para de ladainha, pombas!


De repente, algo chama a atenção dela. Era Yuudachi, que estava ali treinando de manhã cedinho, como Fubuki costumava fazer.


Quem aparece ali é Sendai. Lembra dela, aquela que só gostava da noite? Então, ela chega ali e explica que desde que Fubuki havia sido nomeada capitã, Yuudachi começou a treinar todos os dias. Pois ela havia se inspirado pela dedicação e esforço de Fubuki, querendo fazer o seu melhor. 


Pronto. Era o que Fubuki precisava. Feliz por ter sido uma boa influência para sua amiga, ela se dá conta que estava sendo egoísta. O comandante sabia o que tinha que ser feito, e todas as meninas-navio deviam fazer o máximo de seu esforço.


Bom, voltemos ao cronograma. Era hora de Fubuki e outras meninas voltarem para o distrito. Ela, Mutsuki e a cruzador Mogami iriam na frente, sendo acompanhadas um pouco depois pelas porta-aviões Souryuu e Hiryuu, respectivamente as meninas e verde e amarelo ali no fundo. 


Na verdade Mutsuki não precisava ir... mas como Yuudachi estava só treinando, ela não ia se sentir confortável sozinha no quarto, e assim decide acompanhar a sua BFF. Enquanto isso, Mogami começa a se perguntar quanto vai ganhar pra ser babá de duas pirralhas. 


Depois das meninas partirem, Ooyodo aparece de novo com um bilhete, que trazia uma mensagem do almirante. Parece que hoje ela ficou mesmo como pombo-correio, só dando recado pra chefe.


Nagato faz uma cara de desgosto. Não, o comandante não mandou um nude pra ela. Na verdade eram ordens para cancelar a operação MO e retornar imediatamente para o distrito. A navio-secretária fica puta, pois elas tinham uma vantagem numérica muito boa ali, e não podiam deixar passar essa oportunidade de ouro. Nem que tivesse que dar umas porradas na cabeça daquele imbecil, ela iria convencê-lo de seguir adiante.


Mas... o cara que tá jogando não é bobo, e estudou bem os livros de História. Ele provavelmente tinha um mau pressentimento. E quando vemos uma porta-aviões Abissal se preparando para lançar os piolhos voadores, não restam dúvidas de que tem algum caroço nesse angu.


Aliás, você talvez se lembre que essa aí era a mesma porta-aviões que levou aquele teco no olho da Fubuki, certo? 

Perto do distrito naval, Mogami percebe que tem alguma coisa piscando no seu radar anti-aéreo. Embora eu não faça a menor idéia de onde esteja essa droga de radar, vamos acreditar nela.


Bom... Acho que não precisa de radar quando você consegue ver ali três carrapatos Abissais voando lá pra longe. Estranhamente, eles não estavam vindo na direção das meninas, mas seguindo em direção ao horizonte. O que será que aqueles putos estavam tramando?


Ih, fudeu... eles estavam indo na direção da base! Claro que eu não faço idéia se ali é a base, mas as meninas conhecem as redondezas melhor do que eu, então deve ser isso mesmo. Era um ataque covarde no distrito naval, como pode?


Não demora pra notícia chegar lá em Truk. E vai lá de novo a Ooyodo passar o recado de que a base havia sido bombardeada, deixando Nagato puta da vida, soltado vários palavrões em japonês. Os Abissais certamente haviam encontrado um ponto fraco na defesa delas, já que praticamente todas as meninas-navio estavam em Truk, por mais que fosse inacreditável que os Abissais pudessem fazer um ataque de porta-aviões desde tão longe. 


Nagato então se dá conta que estava xingando o almirante à toa... Será que ele sabia que isso podia acontecer? Será que essa era a razão pela a qual ele ordenou que elas voltassem pra base? Pois é, Nagato... tem que confiar no cabra.


Mogami, Mutsuki e Fubuki chegam na base, que está virada de pernas pro ar. A cruzador pede que as duas procurem por sobreviventes, enquanto ela vai procurar um rádio pra avisar o restante da esquadra, e se possível arrumar um pouco de saquê pra encarar aquele momento de crise.


Logo as destróieres encontram Mamiya, a dona do restaurante, que agora não passa de escombros fumegantes. Sorte que ela tinha feito um bom e gordo seguro, mas não vamos perguntar porque parece que o estabelecimento explodiu de dentro pra fora... Ela explica que as demais meninas-navio que estavam na base estavam bem, haviam se escondido em abrigos. A sorte é que o comandante havia avisado elas a tempo.


E quanto ao almirante? Mamiya explica que ele havia ficado na sua sala de comando, dizendo que só sairia de lá depois que todas as meninas estivessem seguras. Bom, e como o prédio onde essa sala ficava era o maior e mais chamativo, já dá pra imaginar que choveu bomba ali. Assim... o almirante estava desaparecido, provavelmente morto.


Típico de japonês, na época da guerra o que mais tinha era comandante que afundava junto com o navio. 

Bom... passado o fuzuê e com a chegada das demais meninas, era hora de arrumar aquela zona toda e contar o prejuízo. Sabendo que o trabalho pesado geralmente é feito por aquelas fadinhas, e vendo que as garotas tiveram que arregaçar as mangas e colocar o capacete de obras, acho que os Abissais detonaram também a colméia de onde tiravam aquelas baixinhas.


Até mesmo as destróieres da 6ª Divisão estão ajudando. Na verdade, apenas Ikazuchi é quem está colocando a mão na massa, pois Inazuma tinha pena de bater nos pregos, Akatsuki dizia que trabalho braçal não era pra uma dama, e Hibiki dizendo que aquilo ali tava muito mal-feito e ia cair.


Dito e feito, Hibiki. Madeira!!!


Pois é... ainda ia levar tempo pra colocar o distrito em ordem. Mas depois de um longo dia de trabalho, pelo menos já estava um pouco mais organizado. Era hora da janta, e Mamiya havia preparado um sopão de repolho pra fazer a alegria das garotas... É visível a animação delas enquanto esperam uma tigela de algo que parece ter sido vomitado por um ogro.


Nagato chama todas as meninas-navio, agradecendo o esforço delas em arrumar a base. Podia não estar uma beleza, mas considerando que elas não tinham uma verba como a Odebrecht, tava de bom tamanho. Mas não eram apenas boas notícias, pois infelizmente o comandante ainda estava desaparecido...


Mas elas haviam encontrado o caderninho preto dele. Mas não pense besteira, não era uma agenda com os telefones e preços de moças de vida fácil, era na verdade um registro com os planos para combater os Abissais. E a primeira ordem que havia ali era...


... que Fubuki fosse remodelada!


Mas já? Ela nem começou a brilhar em vermelho!

Fim da linha, ficamos por aqui. Mas... antes de ir, vale a pena fazer o comentário da referência histórica desse episódio. Embora não haja nada muito evidente, quem conhece um pouco dos acontecimentos da Segunda Guerra deve desconfiar que o nono capítulo de Kantai Collection tem uma certa influência do ataque de Doolittle ao Japão.

Quem viu aquele filme Pearl Harbor com o Ben "Batman" Affleck deve saber o que estou dizendo. Foi meio que um revide ao bombardeio realizado na base norte-americana que deflagrou a guerra no Pacífico. Os Estados Unidos fizeram algo ousado: mandaram dois porta-aviões para próximo do Japão, sendo que um deles carregava bombardeiros de longo alcance, um tipo de aeronave que normalmente não decola dessas embarcações. Os aviões foram lançados com o objetivo de tacar bombas em Tóquio e outras cidades japonesas.


Não era uma missão muito prática, não tinha muito sentido mesmo. O objetivo era dar uma injeção de moral aos americanos e de certa forma desestabilizar os japoneses, pra mostrar que eles não eram invulneráveis. Fisicamente, os danos foram desprezíveis, ainda mais se considerarmos que os orientais reconstroem tudo rapidinho. Bem menos danos que o distrito das meninas-navio sofreu.

Acho que é isso mesmo... ainda mais considerando que esse ataque ao Japão aconteceu pouco depois da Batalha do Mar de Coral, no qual aquele outro episódio de Kantai Collection foi baseado. Historicamente, isso fez com que o Japão acelerasse o início da operação MI, que envolvia a captura da ilha de Midway. Quem já leu outros posts da série de navios aqui ou conhece um pouco de história sabe como que esse embate em Midway foi decisivo para determinar o destino da guerra no Pacífico. E provavelmente sabe também como essa batalha terminou bem mal pro Japão.

Bom... e algo que me diz que em breve teremos uma operação MI aqui em Kantai Collection... Será que a história vai se repetir? Se isso acontecer... 
Terima kasih karena telah membaca berita tentang http://bit.ly/2Ea9MLb, jika berkenan silahkan baca berita lainnya di website kami.
Silahkan berkomentar
  • Blogger Berkomentar dengan Blogger
  • Facebook Berkomentar dengan Facebook
  • Disqus Berkomentar dengan Disqus

No comments :